capa | atento olhar | busca | de última! | dia-a-dia | entrevista | falooouu
guia oficial do puxa-saco | hoje na história | loterias | mamãe, óia eu aqui | mt cards
poemas & sonetos | releitura | sabor da terra | sbornianews | vi@ email
 
Cuiabá MT, 21/09/2017
comTEXTO | críticas construtivas | curto & grosso | o outro lado da notícia | tá ligado? | tema livre 26.312.118 pageviews  

De Última! Só lendo para acreditar

TEMA LIVRE : João Vieira

Outras colunas do Tema Livre

Inveja: sentimento-mor de nossa gente
17/11/2007

Pela força de sua verdade, a afirmação acima deve circular e é o que faço pela disponibilização deste espaço. A tese me veio em formato de crônica, publicada em “O Globo” e também no globoonline.com, em 24/l0/07. Trata-se de mais uma produção (feliz) de Roberto da Matta, renomado antropólogo, com o provocativo título: “Você tem inveja?” Segue-se a transcrição:

¨A inveja é um sentimento básico no Brasil. Está para nascer um brasileiro sem veja. A coisa é tão forte que falamos em ¨ter¨ em vez de ¨sentir¨ inveja. Outros seres humanos e povos sentem inveja (um sentimento entre outros), mas nós somos por ela possuídos. Tomados pela conjunção perversa e humana de ódio e desgosto, promovidos justamente pelo sucesso alheio. Nosso problema é o sujeito do lado rico e famoso, que esbanja reformando a casa, comprando automóveis importados e dando ¨aquelas festas de tremendo mau gosto!¨ Ou é o sujeito brilhante que estamos convencidos ¨tira¨ (rouba, apaga, represa, impede) a nossa chance de fulgurar naquela região além do céu, pois, residindo no nirvana social dos poderosos (mesmo quando são cínicos e fracos), dos ricos (mesmo quando pobres e sofredores), dos belos (mesmo quando são feios), dos famosos (mesmo quando são frutos promocionais de revistas e jornais), e dos elegantes (mesmo quando são cafonas), estariam acima de todas as circunstâncias.

Estou seguro de que não é o patriotismo, mas a inveja, o sentimento básico de nossa vida coletiva. Para começar a gostar do Brasil, tínhamos que invejar a França, a Inglaterra, a Rússia, a Alemanha, a Itália e os Estados Unidos. Era, sem dúvida, a inveja que fazia torcer pela queda do Brasil no tal abismo de onde ele sairia melhor do que todo mundo. Antes do sexo, o brasileiro tem inveja. Ela antecede a sensualidade e o erotismo, sendo básica na formação de nossa identidade pessoal. Você sabe quem é, leitor, pela inveja que sente todas as vezes que encontra o tal ¨alguém¨ que, pela relação invejosa, faz você se sentir um bosta: um ¨ninguém¨.

Como as nuvens em volta das montanhas, a inveja se adensa em torno de quem é visto como importante, de modo que ser invejado é equivalente a ¨ter poder¨, ¨charme¨, ¨prestígio¨ e ¨riqueza¨. Dizem que a inveja é perigosa, mas o fato concreto é que não há brasileiro que não goste de ser invejado por alguma coisa. Pelo salário, pelo poder, pela beleza, pelo sucesso, pela inteligência e até mesmo pelas sacanagens, injustiças, calúnias e descalabros que comete. Num seminário recente sobre ¨Ética e corrupção¨, eu disse que é justamente a vontade de ser invejado que descobre os corruptos. Pois diferentemente dos ladrões de outros países, que roubam e somem no mundo, os nossos são forçados pela ¨lei relacional da inveja¨ a retornar ao lugar natal para mostrar aos seus parentes, amigos e, acima de tudo, inimigos, como estão ricos e, nisso são denunciados, presos, soltos e finalmente, colocados no panteão cada vez mais extenso dos canalhas nacionais. Dos infames que comprovam como a inveja e o desejo de ser invejado são o motor da vida brasileira.

A minha tese é a de que até a canalhice é invejada no Brasil. Richard Money-grand, o grande brasilianista, escreveu no seu diário filosófico, ¨Voyage Into Brasil¨, que: ¨Para os brasileiros, um dia sem inveja é um dia sem luz. A inveja confirma a idéia nacional do sucesso para poucos, como antes confirmava o berço e o sangue para a aristocracia e a superioridade social para os funcionários públicos e senhores de engenho. Todos a condenam, mas ninguém pode passar sem ela¨.

A inveja, digo eu, é o sinal mais forte de um sistema fechado, onde a autonomia individual é fraca e todos vivem se balizando mutuamente. O controle por intriga, boato, fofoca, fuxico e mexerico é a prova desse incessante comparar de condutas cujo objetivo não é igualar, mas hierarquizar, distinguir, pôr em gradação. O horror à competição, ao bom-senso, à transparência e à mobilidade é outro lado dessa cultura onde ter sucesso é uma ilegitimidade, um descalabro e um delito.

O êxito demarca, eis o problema, um escapar da rede que liga todos com todos. Essa indesejável individualização tem mais legitimidade quando vem de quem já está estabelecido. Daí ser imperdoável que Fulano ¨aquela figurinha¨ o faça, destacando-se pelo disco, novela, livro ou empreendimento desse mundo onde todos são pobres e miseráveis por definição e por culpa do ¨social¨. O pecado mortal das sociedades relacionais é justamente essa individualização que separa o sujeito de uma rede hierárquica. Rede que nos persegue neste e no outro mundo.

Como, então, não sentir inveja do sucesso alheio, se estamos convencidos de que o êxito é um ato de traição a um pertencer coletivo conformado e obediente? Como não sentir inveja se o exitoso é aquele que se recusa a ser o bom cabrito que não chama a atenção e passa a ser o mais vistoso esse símbolo de egoísmo e ambição? Ademais, como não ter inveja se o sucesso é um sinal de pilhagem de um bem coletivo? Essa coletividade que, entra ano, sai ano, continua a ser percebida como mesquinha, subdesenvolvida, pobre e atrasada? Como um bolo pequeno e que jamais cresce, destinado a ser comido somente pelos que estão sentados à mesa?¨, conclui Roberto da Matta.

...

João Vieira é sociólogo e escreve quando bem entende no Saite Bão. E-mail: joaovieira01@pop.com.br


OUTRAS COLUNAS
André Pozetti
Antonio Copriva
Antonio de Souza
Archimedes Lima Neto
Cecília Capparelli
César Miranda
Chaparral
Coluna do Arquimedes
Coluna do Bebeto
EDITORIAL DO ESTADÃO
Edson Miranda*
Eduardo Mahon
Fausto Matto Grosso
Gabriel Novis Neves
Gilda Balbino
Haroldo Assunção
Ivy Menon
João Vieira
Kamarada Mederovsk
Kamil Hussein Fares
Kleber Lima
Léo Medeiros
Leonardo Boff
Luciano Jóia
Lúcio Flávio Pinto
Luzinete Mª Figueiredo da Silva
Marcelo Alonso Lemes
Maria Amélia Chaves*
Marli Gonçalves
Montezuma Cruz
Paulo Corrêa de Oliveira
Pedro Novis Neves
Pedro Paulo Lomba
Pedro Pedrossian
Portugal & Arredores
Pra Seu Governo
Roberto Boaventura da Silva Sá
Rodrigo Monteiro
Ronaldo de Castro
Rozeno Costa
Sebastião Carlos Gomes de Carvalho
Serafim Praia Grande
Sérgio Luiz Fernandes
Sérgio Rubens da Silva
Sérgio Rubens da Silva
Talvani Guedes da Fonseca
Trovas apostólicas
Valéria Del Cueto
Wagner Malheiros
Xico Graziano

  

Compartilhe: twitter delicious Windows Live MySpace facebook Google digg

  Textos anteriores
19/09/2017 - Senta no toco (Valéria Del Cueto)
17/09/2017 - BURACO BRASIL (Marli Gonçalves)
12/09/2017 - Irma, irmãos, furacão! (Valéria Del Cueto)
10/09/2017 - GRAVANDO! (Marli Gonçalves)
03/09/2017 - NO NOSSO PESCOÇO (Marli Gonçalves)
28/08/2017 - OUTROS NAUFRÁGIOS (Marli Gonçalves)
21/08/2017 - OVOS, VIRADOS (Marli Gonçalves)
14/08/2017 - Terrorismo É Isso (Marli Gonçalves)
13/08/2017 - Zona geral (Valéria Del Cueto)
07/08/2017 - AS DATAS DE NOSSAS VIDAS (Marli Gonçalves)
06/08/2017 - É fria, a frente (Valéria Del Cueto)
05/08/2017 - O QUE NOS AGUARDA EM 2018 (Fausto Matto Grosso)
31/07/2017 - Dicas para parecer que está tudo normal (Marli Gonçalves)
30/07/2017 - Física aplicada (Valéria Del Cueto)
24/07/2017 - EU VEJO (Marli Gonçalves)
18/07/2017 - Na moral (Valéria Del Cueto)
17/07/2017 - MEDO, MUITO MEDO (Marli Gonçalves)
10/07/2017 - Semanas de rock, bebê! (Marli Gonçalves)
02/07/2017 - Ilação, substantivo feminino (Marli Gonçalves)
25/06/2017 - O QUE VOCÊ ESPERA DA SEGUNDA METADE? RÉVÉLÉ. (Marli Gonçalves)

Listar todos os textos
 
Editor: Marcos Antonio Moreira
Diretora Executiva: Kelen Marques